“Provei o amor de Deus”, diz mulher que deixou de ser transexual após conversão

0

Por quase dez anos, Laura viveu como um homem transgênero carregando um novo nome: Jake. Mesmo sendo criada por uma família cristã, ela se afastou da igreja e passou a morar com um parceiro transgênero.

“Eu cresci indo à igreja. Eu frequentava a Escola Dominical, fazia parte do coral infantil e muitas outras atividades. Mas faltava um relacionamento pessoal com Jesus Cristo”, disse Laura, que fazia parte da Primeira Igreja Batista de Bartlesville, nos Estados Unidos.

Travando uma luta com sua identidade sexual, Laura “não se sentia” como uma menina e decidiu abraçar uma vida transgênera aos 20 anos de idade.

Embora tivesse apoio da igreja, a mãe de Laura se sentiu deprimida e isolada diante da situação de sua filha. Nesse período, Francine decidiu mergulhar com mais profundidade na Palavra de Deus.

“Eu percebi que eu tinha uma fé mais baseada nas obras do que em Cristo, uma mentalidade legalista. Eu agia como um fariseu em muitas vezes”, reconheceu Francine.

Francine se uniu ao grupo de oração de sua igreja para clamar pela vida de Laura, enquanto a filha tomava hormônios, fazia cirurgias e se envolvia no ativismo LGBT.

Depois de um longo caminho, Deus começou a despertar fé em Laura. “Eu comprei as mentiras de Satanás, acreditando que as minhas escolhas pecaminosas me deixariam feliz. Mas por dentro, eu era miserável e estava em busca de uma paz verdadeira”, afirmou.

Aos poucos, Laura foi sendo convencida pelas verdades do Evangelho. “Deus abriu meus olhos para a verdade. Ele me fez perceber ser transgênero não era a Sua vontade para a minha vida. Mas eu ainda estava em conflito”, lembra.

Francine e Paul estavam vendo um processo de transformação lento na vida da filha, mas continuaram mantendo a fé. “Era como se Deus me dissesse: ‘Se você continuar tentando consertar Laura, eu não vou consertar. Se você entregar Laura em minhas mãos, eu vou trabalhar’”, disse Francine.

Certo dia, Laura decidiu ir à igreja, mas sua mãe entrou em conflito. “Eu pensei que se ela fosse à igreja parecendo um homem, ela nos envergonharia. Isso me mostrou quão longe eu ainda estava de Cristo”, confessa Francine.

Para a surpresa da mãe, naquele dia Laura tomou a decisão de deixar de ser transgênero, romper o relacionamento com seu parceiro e voltar para casa de seus pais. Em setembro do ano passado, ela foi batizada em sua igreja.

Francine e Paul acreditam que Deus respondeu suas orações e incentivam outros pais a nunca desistirem de seus “filhos pródigos”. Hoje Laura está ativa na igreja e tem uma nova vida. “Sou prova viva de que o amor de Deus é maior que a mentira do diabo”, ela afirma.

Com informações de God Reports

SEM COMENTÁRIOS

Responda