Igrejas Evangélicas na Austrália foram vandalizadas por militantes LGBTs

0

Várias igrejas na Austrália foram vandalizadas por militantes LGBTs. Tais conflitos estão se tornando cada vez mais frequentes no país, já que a região está para decidir se deve ou não legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

De acordo com o The Christian Institute, duas igrejas em Melbourne foram pichadas. As pessoas que praticaram o vandalismo chamaram os cristãos, que defendem uma visão tradicional do casamento, de “fanáticos” e que deveriam ser “crucificados”.

Também foram desenhadas suásticas nas igrejas, fazendo menção ao nazismo e a Hitler.

Além desse vandalismo, uma mulher cristã que apoia uma visão tradicional do casamento recebeu ameaças de morte e outra perdeu seu emprego porque expressou sua oposição a mudar a definição de casamento.

A Austrália está atualmente realizando um referendo para saber se o casamento entre pessoas do mesmo sexo deve ser legalizado. Os residentes australianos estão participando de uma pesquisa por correspondência sobre a questão que precisa ser completada até o dia 7 de novembro de 2017. Depois desse dia será definido a questão do casamento homossexual e a inclusão dos direitos legais entre casais do mesmo sexo.

O pastor David O’Brien, líder da Igreja Batista de Waverly, uma das igrejas que foram vandalizadas, disse que o incidente foi “perturbador e preocupante”. Já o pastor Drew Mellor da Igreja de Glen Waverley disse que as pichações deixaram os membros mais antigos preocupados com a segurança. Após o incidente, a igreja lançou uma longa declaração descrevendo sua crença em uma visão bíblica sobre o casamento, que é a união de um homem e uma mulher.

Monica Doumit da Coalition for Marriage (Austrália) acrescentou que “uma coisa que este processo revelou é que, apesar da retórica, os ativistas não acreditam em uma sociedade tolerante, onde as pessoas têm permissão para viver e deixar viver. Em vez disso, eles vão direcionar aqueles que não concordam com suas opiniões pelo boicote ou por algum outro tipo de punição”.

Com informações do The Christian Institute

SEM COMENTÁRIOS

Responda