Honras em Vida

0

Alguns amigos chegaram a afirmar que as histórias que escrevo são inventadas. É claro que algumas são fertilizadas pela minha imaginação. Já imaginaram se colocasse nomes, endereços e tantas informações que possibilitassem descobrirem os personagens? Relembrando dias passados, veio-me à memória, experiência inesquecível. Comecemos por um texto: João 12:26; Se alguém me serve o Pai o honrará”. O texto contém a palavra diácono, que era um servidor distinguido e bem treinado. Diácono é a pessoa que serve ao outro, em busca de uma gloriosa colheita, ou seja; colher no rosto da pessoa servida a alegria de ser sido servida. Jesus foi o diácono do Pai, que veio servi-lo com sua morte no Calvário, e depois foi ao céu, colher no rosto do Pai a alegria de ter sido servido. Quero, hoje, contar-lhes a história da Irma Nancy Campbel. Seu esposo era presidente de  uma importante companhia americana no Brasil. Lá se vão 45 anos, quando isso aconteceu. O casal tinha três filhos. Numa tarde irmã Nancy acompanhou um trabalho evangelístico num bairro muito pobre. Ficou chocada. Dias depois visitou uma unidade da FEBEM. Lá estavam crianças que jamais seriam adotadas. Eram crianças especiais de todos os tipos. Adotou uma e a tratou tão bem, que o juiz ficou admirado quando viu a criança recuperada.

A seguir, adotou outra bem fragilizada. Tratou-a. A surpresa foi a mesma da anterior. Quando retornou aos USA, as amigas ficaram empolgadas com a nobreza da Nancy. Desejaram fazer o mesmo. Não demorou muito Nancy fundava uma ONG chamada Limiar. Anos mais tarde, já passavam de mil crianças adotadas por casais do Canadá, USA, Itália, e outros países. Nesse ínterim, precisavam de um brasileiro na diretoria. Convidou-me, Dr. Shedd, a fazer  parte da ONG Limiar. Participei do grupo diretivo durante 15 anos. A entidade montou duas casas de apoio. Uma em São Paulo e outra no Recife, onde as crianças ficavam hospedadas aguardando adoção. Havia um escritório e uma diretoria reunindo-se eventualmente, dando cobertura ao trabalho de irmã Nancy, que havia retornado aos USA. Um dia, nossa entidade recebeu tremendo golpe. Irmã Nancy foi encontrada morta na sala de sua casa. Foram feitos todos os exames que a ciência tinha o alcance, mas, nada, nada absolutamente nada foi encontrado como causa de sua morte.

Seis meses depois, a caminho do fechamento da entidade, seu esposo esteve no Brasil. Eis seu depoimento: “Tenho absoluta certeza que minha esposa foi transladada. Não foi encontrada nenhuma explicação para sua morte. Foi-lhe tirado o espírito, sem que passasse por qualquer sofrimento”.

Quantas saudades das reuniões com Nancy, quando vinha ao Brasil, para dar e receber relatórios! Na última vez trouxe sua mais nova adoção; uma moreninha linda, feliz, sem movimentos nas pernas, que, apoiando as mãos no solo, locomovia-se com rapidez e destreza. Nancy andou com Deus, e Deus para si a tomou. Foi honrada com a mais linda morte que alguém poderia ter. Amado leitor; qual honra você terá em vida por parte de nosso Pai Celestial?

Pr. Manoel de Jesus The

ARTIGOS SIMILARES

0

0

SEM COMENTÁRIOS

Responda