Nossas Responsabilidades

0

“Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres.” (João 8.37)

Há um poder enorme na multidão, assim como na frequência maçante do que acontece à nossa volta. Há um poder enorme nas muitas vozes que nos rodeiam, no jeito das pessoas que nos cercam, de modo que nos acostumamos, nos adaptamos nos formatamos. Há enormes poderes ao nosso redor e nem todos eles, e nem todo o tempo, esses poderes agem positivamente em nossa vida. Muitas vezes eles nos pioram, nos cegam nos afastam dos melhores propósitos, nos levam a viver presos ao que é menos importante, a valorizar demais o que não deveria ser tão valorizado, a nos angustiar pelo que não tem tanta importância e a nos esquecer do que deveria ser objeto de nosso cuidado. Esse é o nosso mundo e Jesus viveu nele.

Mas Jesus viveu livre dele. Há uma libertação de que precisamos possível apenas por meio de Cristo. É isso que estamos tentando entender melhor esta semana! Uma libertação que depende do que Cristo fez por nós, mas que também envolve o que nós fazemos por nós mesmos. Foi conquistada pela submissão de Cristo ao Pai – “Não seja como eu quero, mas como Tu queres” (Mt 26.39). Mas também envolve a nossa submissão a Deus. Não experimentaremos a liberdade que Cristo pode nos dar se não aceitarmos nossas responsabilidades e buscarmos viver como Ele nos ensinou.

Vamos encontrar e desfrutar a liberdade que há em Cristo na medida em que nos encontrarmos com Cristo e em Cristo. Na medida em que, por causa do que Ele fez por nós, vivermos escolhendo fazer algo em Seu nome, por causa d’Ele. Seremos mais livres na medida em que, por causa d’Ele e em Seu nome, amarmos mais, servirmos mais, dissermos “não” a nós mesmos! A liberdade que precisamos também envolve nossas atitudes e escolhas. Não é a maior parte, mas é indispensável. O que Cristo muda em nossa vida, jamais poderíamos mudar por nós mesmos. Mas há mudanças que só acontecerão se nós agirmos. O que depende de Cristo, Ele já fez. Devemos diariamente assumir nossas responsabilidades.

 

ARTIGOS SIMILARES

0

0

SEM COMENTÁRIOS

Responda