Cristãos, precisamos falar sobre Suicídio

0

O suicídio é muito mais complexo do que as pessoas pensam e precisa ser entendido

Embora eu nunca tenha perdido um amigo ou membro da família para o suicídio. De fato, existem muitas pessoas que viram o suicídio, ou já passaram por situações com pessoas próximas. Elas são tomadas por um sentimento de dor misturada com culpa, raiva e arrependimento, tudo isto traz um sabor amargo, cujo gosto leva muitos meses ou mesmo anos para ser esquecido.

Diante de um caso de Suicídio, a única questão que todos se perguntaram sem exceção, é simplesmente: por quê? Por que seu amigo, filho, pai, cônjuge ou irmão tiraram sua própria vida? Mesmo quando uma carta explicando os motivos é encontrada, as perguntas persistentes geralmente permanecem: sim, sentiram-se desprezadas e por isso decidiram morrer, mas porque sentiram isso? O suicídio de uma pessoa muitas vezes nos deixa perplexos (apenas acentuando a culpa do sobrevivente por não conseguir vê-la).

As pessoas que sobreviveram à tentativas de suicídio relataram não ter um desejo de morrer tão forte assim, como parar parar suas vidas, uma estranha dicotomia. Se algum estado intermediário existisse, ou alguma outra alternativa para a morte, eu suspeito que muitas pessoas suicidas a levariam em questão. Por causa de todos aqueles que lêem isso, que poderiam ter sido deixados para trás pelo suicídio de alguém, ou que têm familiares passando por momentos difíceis, gostaríamos de descrever sobre as razões pelas quais as pessoas geralmente se matam. Elas não são tão intuitivas quanto a maioria pensa ser.

Em geral, as pessoas tentam se matar por seis razões:

Problemas com Depressão

Isto sem dúvidas, é o motivo mais comum pelo qual as pessoas cometem suicídio. A depressão severa é sempre acompanhada por uma sensação generalizada de sofrimento, bem como a crença de que escapar dela é impossível. A dor da existência muitas vezes se torna demais para as pessoas gravemente deprimidas suportar. O estado de depressão deforma seus pensamentos, permitindo que idéias como “Todos ficariam melhores sem mim” para fazer sentido racional. Essas pessoas não devem ser responsabilizadas por cair nas presas de tais pensamentos distorcidos mais do que um paciente do coração deve ser culpado por experimentar dor torácica: é simplesmente a natureza de sua doença. A Depressão, como todos sabemos, é quase sempre tratável, todos devemos reconhecer sua presença em nossos amigos íntimos e entes queridos. Muitas vezes as pessoas sofrem com ele silenciosamente, planejando o suicídio sem que ninguém conheça. Apesar de incomodar ambas as partes, indagar diretamente sobre pensamentos suicidas quase sempre produz uma resposta honesta. Se você suspeita que alguém esteja deprimido, tente descobrir a possibilidade de ideias suicidas, converse com ele e busque ajuda

Algum transtorno ou psicose

As vozes internas malévolas geralmente ordenam a autodestruição por razões ininteligíveis. A psicose é muito mais difícil de se esconder do que a depressão, e é indiscutivelmente mais trágico. A incidência mundial de esquizofrenia é de 1% e freqüentemente atinge indivíduos saudáveis e de alto desempenho, cujas vidas, embora gerenciáveis com medicação, nunca cumprem sua promessa original. Os esquizofrênicos são tão propensos a conversar livremente sobre as vozes comandando-os a se matarem como não, e também, dão respostas honestas sobre pensamentos de suicídio quando solicitado diretamente. A psicose, também, é tratável.. A psicose não tratada ou mal tratada quase sempre requer admissão hospitalar a uma enfermaria fechada até que as vozes percam seu poder dominante.

Por impulsividade

Muitas vezes relacionadas a drogas e álcool, algumas pessoas tentam impulsivamente acabar com suas próprias vidas. Uma vez sóbrio e acalorado, essas pessoas geralmente se sentem profundamente envergonhadas. O remorso é muitas vezes genuíno, mas se irão tentar ou não o suicídio novamente, isso já é imprevisível. Eles podem tentar novamente a próxima vez que tornem a beber ou drogar-se, ou nunca mais na vida deles. A admissão hospitalar não é geralmente indicada. O abuso de substâncias e os motivos subjacentes para isso são geralmente uma preocupação maior nessas pessoas e devem ser abordados da forma mais séria possível com ajuda.

Falta de ajuda ou mão amiga

E não sabem mais como conseguir. Essas pessoas geralmente não desejam morrer, mas querem alertar as pessoas à sua volta que algo está seriamente errado com elas. Muitas vezes elas não acreditam que vão morrer, freqüentemente escolhendo métodos que elas não pensam que podem matá-los, a fim de atacar alguém que os machuque, mas às vezes elas são tragicamente mal informadas. Um exemplo disso é uma jovem adolescente que sofre uma angústia genuína por causa de um relacionamento, com um amigo, namorado ou pai, que engole uma garrafa de Tylenol, sem perceber que em doses suficientemente altas, Tylenol causa danos irreversíveis ao fígado. Quem nunca acompanhou casos desse de perto, seja na família ou pela TV, uma morte horrível por ingestão de medicamentos. Pessoas acabam morrendo, buscando simplesmente maneiras de alertar aos que estão à sua volta, o sentimento de angústia que vive.

Porque têm um desejo filosófico de morrer

A decisão de se suicidar para alguns é baseada em uma decisão fundamentada, muitas vezes motivada pela presença de uma doença terminal dolorosa, da qual existe pouca ou nenhuma esperança de salvação. Essas pessoas não estão deprimidas, psicóticas, impulsivas ou clamando por ajuda. Eles estão tentando assumir o controle de seu destino e aliviar seu próprio sofrimento, que normalmente acham que só pode ser feito através da morte. Muitas vezes elas encaram o suicídio como uma maneira de encurtar um episódio moribundo que acontecerá independentemente de qualquer coisa. Se essas pessoas fossem avaliadas por um profissional qualificado, ele poderia excluir de forma confiável pensamentos de suicídio. Você sabia que em alguns países o suicídio é permitido por lei?

Por um erro

Este é um fenômeno recente e trágico em que tipicamente jovens flertam com a morte através de desafios, muitas vezes divulgados em Redes Sociais e na Internet em geral, privação de oxigênio, uso de produtos, realização de tarefas e muitos outros. Recentemente vimos o caso: “Desafio da Baleia Azul”, onde a pessoa envolvida deveria cumprir vários desafios e o último seria tirar a própria vida. A única defesa contra isso, é a educação, vigiar o que seus filhos estão fazendo na internet.

As feridas que o suicídio deixa na vida, dos parentes ou próximos são muitas vezes profundas e duradouras. A aparente insensatez do suicídio geralmente alimenta a dor mais significativa. Pensando que todos lidamos melhor com a tragédia quando entendemos os seus fundamentos. Porém acreditamos o suicídio não é o melhor caminho para ninguém. Existem muitas maneiras de identificar e prevenir o suicídio, procure ajuda. Essa foi a nossa intenção com este artigo, esperamos ter contribuído e ajudado. E se você já teve esse caso em sua vida, seja de um familiar, conhecido ou amigo, apesar da maneira abrupta que você pode ter sido deixado, a culpa e a raiva não precisam ser as únicas duas emoções que você está condenado a sentir sobre aquele que o deixou.

Se você gostou deste conteúdo, queremos lhe convidar para estar na I Semana Teológica do IBADERJ, tema: Cristãos, precisamos falar sobre Suicídio. Venha e traga um convidado, ou alguém que precisa ouvir o que será dito nos 4 dias de evento ( 16,17,18 e 19 de Maio), contaremos com palestrantes qualificados para o abordar o assunto, o valor do investimento é de apenas R$30,00. Clique no link para maiores informações, VAGAS LIMITADAS!

SEM COMENTÁRIOS

Responda