Israel se autodefine como Estado-Nação dos judeus

0
O país aprovou uma lei nesta quinta-feira (19) para declarar que apenas os judeus têm o direito de autodeterminação no país.

A lei do “Estado-nação”, apoiada pelo governo de direita, passou por uma votação de 62 a 55 e duas abstenções no parlamento de 120 membros depois de meses de discussão política. Alguns legisladores árabes gritaram e rasgaram documentos após a votação.

“Este é um momento decisivo nos anais do sionismo e na história do estado de Israel”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ao Knesset após a votação.

Em grande parte simbólica, a lei foi promulgada logo após o 70º aniversário do nascimento do estado de Israel. Estipula que “Israel é a pátria histórica do povo judeu e eles têm um direito exclusivo à autodeterminação nacional”.

O projeto também tira o árabe de sua designação como língua oficial ao lado do hebraico, rebaixando-o para um “status especial” que permite seu uso contínuo dentro das instituições israelenses.

Os árabes de Israel são cerca de 1,8 milhões, cerca de 20% dos 9 milhões de habitantes.

Os primeiros rascunhos da legislação foram mais longe no que os críticos em casa e no exterior viram como discriminação em relação aos árabes de Israel, que há muito dizem que são tratados como cidadãos de segunda classe.

Cláusulas que foram descartadas em disputas políticas de última hora – e depois de objeções pelo presidente e procurador-geral de Israel – teriam consagrado em lei o estabelecimento de comunidades somente judaicas, e instruíram os tribunais a governar de acordo com a lei ritual judaica quando não houvesse precedentes legais.

Em vez disso, foi aprovada uma versão mais vagamente redigida, que diz: “O estado vê o desenvolvimento da colonização judaica como um valor nacional e agirá para encorajar e promover o seu estabelecimento”.

Mesmo após as mudanças, os críticos disseram que a nova lei irá aprofundar um sentimento de alienação dentro da minoria árabe. “Anuncio com choque e tristeza a morte da democracia”, disse Ahmed Tibi, um parlamentar árabe, a repórteres.

Netanyahu defendeu a lei. “Vamos continuar garantindo os direitos civis na democracia de Israel, mas a maioria também tem direitos e a maioria decide”, disse ele na semana passada.

A maioria absoluta quer garantir o caráter judaico do nosso estado para as próximas gerações”.

A população árabe de Israel é composta principalmente por descendentes de palestinos que permaneceram em suas terras durante o conflito entre árabes e judeus que culminou na guerra de 1948 em torno da criação do moderno Estado de Israel. Centenas de milhares foram forçados a deixar suas casas ou fugiram.

Aqueles que permaneceram têm plenos direitos iguais sob a lei, mas dizem que enfrentam discriminação constante, citando serviços inferiores e alocações injustas para educação, saúde e moradia.

Descontentamento

Em Ma’alot-Tarshiha, um município no norte de Israel que foi criado ligando a cidade judaica de Ma’alot e a cidade árabe de Tarshiha, houve raiva entre os residentes árabes.

“Acho que isso é uma legislação racista de um governo de direita radical que está criando leis radicais e está plantando as sementes para criar um estado de apartheid”, disse o médico Bassam Bisharah, 71.

O objetivo desta lei é a discriminação. Eles querem se livrar dos árabes totalmente ”, disse Yousef Faraj, 53 anos, da aldeia drusa vizinha de Yanuh. “Os israelenses querem destruir todas as religiões dos árabes”.

Adalah, o Centro Legal para os Direitos das Minorias Árabes em Israel, chamou a lei de uma tentativa de promover a “superioridade étnica através da promoção de políticas racistas”.

Com informações do Christian Today

SEM COMENTÁRIOS

Responda