Butão: Pastor é forçado a beber urina de vaca por não negar sua fé

0
1

O pastor Timothy, que atua em um ministério no Butão (país localizado no sul da Ásia), foi vítima de um ataque realizado por seus vizinhos budistas, no qual foi agredido e forçado a beber urina de vaca. O ataque ocorreu na tentativa de fazer o líder cristão voltar para sua antiga religião.

Timothy foi um dos participantes do seminário “Permanecendo Firme Através da Tempestade”, evento que aconteceu no Butão. Ele testemunhou que para chegar ao local do treinamento, precisou viajar durante um período de três dias.

O pastor ainda explicou que durante o trajeto, ele enfrentou algumas dificuldades. Dentre elas, ele teve de caminhar longas distâncias, escalar montanhas e esperar ônibus por longas horas. Quando finalmente chegou ao evento, ele testemunhou como deixou o budismo e se entregou a Jesus.

Ele revelou que seu coração manifestou uma vontade de conhecer Jesus depois que ouviu o testemunho de uma família. Timothy se apaixonou por Jesus e começou a segui-Lo, mas sua decisão não foi muito bem aceita por seus vizinhos, que apresentaram um comportamento extremista.

Ataque 

Ao descobrir que ele havia abandonado a antiga fé, os vizinhos budistas de Timothy se reuniram para atacá-lo. Eles então começaram a bater no líder cristão e tentaram pressioná-lo para que ele voltasse ao budismo, mas o pastor resistiu.

Em outra oportunidade, os mesmos vizinhos realizaram outro ataque. Eles arrastaram o pastor para fora de casa, o forçaram a rastejar por debaixo de uma vaca e fizeram ele beber a urina do animal. Mesmo após o ataque, ele não abandonou a fé em Cristo.

No evento, Timothy tinha uma Bíblia velha e dizia: “Eu viajei até aqui por três dias porque estou sedento da palavra de Deus. Quero saber mais Dele”.

Segundo a Portas Abertas, o pastor é apenas um dos que “abriram mão do seu tempo e dedicaram muito esforço para, durante alguns dias, ouvir ensinamentos sobre a palavra de Deus”.

Com informações do Portas Abertas

Compartilhar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.