A alegria e o culto

0
5
“Prestem culto ao Senhor com alegria; entrem na sua presença com cânticos alegres.” (Salmos 100.2)

A adoração é nossa vocação. Somos chamados para celebrar na história a presença e o amor de Deus. Em nossa fé temos o culto litúrgico, que realizamos num lugar especial, seguindo um programa, envolvendo pessoas com seus dons e papeis, como representação do que deve ser a nossa vida. O salmista nos chama: prestem culto ao Senhor com alegria. No saltério temos várias razões porque a alegria é própria para o culto. Ele perdoa os pecados e cura as doenças. Ele é compassivo e misericordioso. Ele afasta de nós os nosso erros e o seu amor é tão grande quanto é elevado os céus da terra. Como um pai amoroso, Ele se compadece de nós. Tudo isso encontramos no Salmo 103 e por tudo isso podemos celebra-lo com alegria.

Habacuque aprendeu que poderia alegrar-se no Senhor mesmo diante de circunstâncias ruins: “Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.” (Hb 3.17-18) Ele aprendeu o que Paulo aprenderia muitos séculos depois e que testemunhou em sua carta escrita aos filipenses: “Aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece.” (Fl 4.11-13).

É certo que este mundo tem suas dores. Jesus já havia nos alertado quanto a isso: “Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo.” (Jo 16.33). Quando nos reunimos para cultuar, temos a oportunidade de reorientar a vida e o mundo que nos cerca. Podemos fortalecer a fé. Prestar a Deus adoração alegre nos fortalece: a alegria do Senhor é a nossa força (Ne 8.10). Diante de tudo que Deus já fez por nós em Cristo, a alegria sempre é uma possibilidade. E a gratidão um dever. Afinal, nele temos vida. Por Ele somos sustentados. Ninguém poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo e por Ele somos mais que vencedores (Rm 8.35-37). Portanto, “alegrem-se no Senhor. E direi outra vez: alegrem-se!” (Fl 4.4)

Compartilhar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.