Depois de igrejas serem fechadas, chineses pregam nas ruas da China

0
9

Depois que autoridades da China fecharam as portas de uma igreja classificada como “clandestina”, seus membros saíram para realizar cultos em praça pública. Governado pelo Partido Comunista da China, o país é classificado como um dos que mais perseguem cristãos no mundo.

Um vídeo publicado no domingo (09) por Christopher Gregory, da organização China Missions, mostra cristãos orando, louvando e pregando o Evangelho nas ruas. Trechos das imagens mostram fiéis cantando alegremente, falando sobre Deus em microfones e orando publicamente.

A igreja, localizada na cidade de Chengdu, costumava fazer cultos aos domingos até ser fechada pelas autoridades chinesas, disse Gregory ao site Christian News Network. O pastor foi detido por policiais na ocasião, mas foi solto mais tarde.

“Acharam que era o fim [da igreja], mas não era. As pessoas levaram o Evangelho às ruas e fizeram os cultos nos parques, enquanto as autoridades observavam perplexas sem saber o que fazer”, descreveu Gregory na legenda do vídeo.

“Pela primeira vez, as pessoas em toda a China estão dizendo ‘não’ ao que o Partido Comunista quer — controle. Controle sobre o que elas podem fazer, no que podem acreditar, onde podem ir, o que podem dizer. É mais um sinal de que algo está começando a tomar forma aqui na China, um chamado para a democracia”, o missionário acrescentou.

Controle religioso

Embora a China seja um Estado laico, o governo exige que os cristãos façam parte de associações autorizadas pelo Partido Comunista.

Os protestantes devem seguir as normas do Movimento Patriótico das Três Autonomias e da Associação Cristã da China, enquanto os católicos devem se registrar na Associação Patriótica Católica.

Já as igrejas que não seguem a liturgia oficial do governo são consideradas clandestinas. As chamadas “igrejas domésticas”, como a congregação de Chengdu, é formada por cristãos que se reúnem nas casas.

“Como a maioria das igrejas oficiais é instruída a ensinar a lealdade ao Partido Comunista, promovendo muitas vezes os princípios dessas crenças, muitos fieis se encontram fora do sistema religioso oficial, em grupos conhecidos como igrejas domésticas ou subterrâneas”, explica a organização China Aid.

No entanto, as igrejas que estão fora do registro oficial estão sujeitas à prisão. A aplicação da pena varia de província para província.

“O governo está tentando silenciar qualquer coisa relacionada ao cristianismo por causa de seu crescimento. A China está enfrentando uma resistência interna e vê o aumento de cristãos como um risco de perder o controle sobre a sociedade”, explicou Gregory.

Gregory ainda pediu orações pelo país: “Ore por todas as igrejas na China, tanto sancionadas pelo Estado como as não registradas (igrejas domésticas). Ore por uma mudança aqui, para que o Evangelho alcance o coração dos homens para que a verdadeira mudança possa acontecer, então veremos um avivamento na China”.

 
Com informações do Guiame
Compartilhar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.