Quando as adversidades se tornam nossa aliada

0
4

Como pode alguma coisa ruim ser benéfica? Alguém afirmaria que isto só poderia ser um paradoxo. Tudo vai depender do ângulo em que nós visualizamos as circunstâncias. Nem tudo o que vivenciamos em determinadas ocasiões da vida que, aos nossos olhos, parece ser danoso, prejudicial, de fato o é. Em alguns momentos a nossa visão é como um quadro com a pintura inacabada onde não conseguimos entender o que aquele pintor está tentado desenhar. Aí, tentamos imaginar ou deduzir qual é a imagem final a ser reproduzida pelos poucos traços já desenhados.

O livro dos Juízes narra o período vivido pelo povo de Israel desde a morte de seu líder Josué até o início da monarquia, por volta de 1300 A.C, onde eles eram liderados por homens levantados por Deus, chamados de Juízes. Nos vinte e um capítulos deste livro é possível identificarmos uma sequência de queda, fracasso e misericórdia. O povo se afastava de Deus; começava a transgredir os seus mandamentos; eram derrotados pelos seus inimigos, sentindo na pele as consequências do seu pecado; se arrependiam e se voltavam novamente para Ele que os perdoava e os redimia.

Esta série se repete incontáveis vezes. Por incrível que pareça o que nos chama a atenção não são as inúmeras quedas daquele povo, mas, a misericórdia de Deus sempre pronto a lhes dar uma nova chance de remição e os seus métodos utilizados como ferramenta para trazer despertamento e fazer com que aquelas pessoas viessem a cair em si e se voltassem novamente para Ele. Nos versículos vinte e um e vinte e dois do capítulo dois, Deus afirma que usaria os inimigos de Israel para servirem de instrumento de correção. Era através das derrotas sofridas por eles que se lembrariam do Deus que havia realizado maravilhas no seu meio.

“Eu não expulsarei mais de diante deles nenhuma das nações que Josué deixou quando morreu; a fim de que, por elas, ponha a prova Israel, se há de guardar, ou não, o caminho do Senhor, como seus pais o guardaram, para nele andar.” (Jz 2.21-22).

O que parecia ser derrota era vitória; o que parecia ser morte era vida; o que parecia ser o caos era o início do transbordar da graça e da misericórdia de Deus; o que parecia ser o fim era o recomeço de uma nova trajetória de vida. O Todo-Poderoso tem os seus meios de realizar as coisas. Muitas vezes não conseguimos compreender a sua metodologia. Podemos ver esta mesma realidade em outras passagens bíblicas como, por exemplo, no testemunho de Jó. Depois de perder todos os seus bens materiais, seus filhos e, por fim, a sua própria saúde, chega à conclusão de que tudo aquilo serviria para fortalecê-lo na fé e ter o privilégio de conhecer melhor ao seu Deus. O seu segundo estágio de vida foi ainda mais próspero, pois o Eterno restituiu tudo dobro o que ele havia perdido.

“Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te veem os meus olhos. E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou, em dobro, a tudo quanto Jó antes possuía.” (Jó 42.5,10).

Por conseguinte, talvez você neste exato momento também esteja passando por um momento difícil, de aparente derrota, de dor e sofrimento, mas, creia que Deus às vezes permite que estas coisas aconteçam para evitar que um mal maior nos suceda. As adversidades se tornam a nossa aliada quando elas nos ajudam a nos aproximar mais de Jesus.

Por Juvenal Oliveira
Colaborador deste Portal

Compartilhar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.