Quem está certo?

0
100

O mundo jaz no Maligno, diz a Bíblia (I João 5.19). A imoralidade greco-romana dos tempos neotestamentários retorna com toda a força nesta sociedade pós-cristã, pautando como norma comportamental o hedonismo explícito, a luta pelo prazer a qualquer custo, a qualquer preço. Ocorre que, por termos sobras cristãs na sociedade, e por encontrarmos gente de Deus ainda esparramada pelo mundo, esta agenda não é completamente avassaladora. Se assim não fosse o mundo já estaria completamente desenfreado.

Como pode o mundo parar para discutir quem está certo ou quem está errado num caso de prostituição entre um jogador de futebol e uma mulher que se ofereceu a ele? Por toda parte juntam-se grupos que defendem a mulher e outros tantos que acusam o jogador. O valor moral do ato, errado por parte de ambos, passa muito longe e sequer é considerado nestas discussões. O pior é que uma das partes tem origem evangélica e não sente qualquer drama de consciência por comportar-se como um ímpio indecente.

Está aí um dos fenômenos do novo evangelho apóstata que impera nas grandes igrejas do momento: um evangelho amoral. Nada é realmente pecaminoso. Nada contraria os padrões divinos. A felicidade humana, seja de que forma for, é tudo o que importa. Assim, se alguém desejar se prostituir para ser feliz, que assim seja. Se quiser contrariar a natureza de sua sexualidade física e relacionar-se com alguém de seu próprio gênero, ótimo. Se quiser casar-se consigo mesmo ou com um animal, é seu direito. A base é o homem e a sua completa liberdade. Enxergo de forma clara o cumprimento do texto bíblico que afirmava ter o anticristo sentado no trono e se declarado o próprio Deus. O homem é o seu próprio deus nos dias de hoje. O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. (2Ts 2:4); Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; (1Tm 4:1).

Mas não é isso que Jesus nos ensinou e nem é assim que se manifesta o autêntico cristianismo. Ainda há cristãos no mundo (e, graças a Deus eu sou um deles!). Tais cristãos não admitem sequer a possibilidade de alguém usar o seu corpo para a imoralidade, quanto mais envergonhar publicamente uma família, uma fé e um país! Não importa quem está certo ou errado no caso citado: todos estão errados. Vejamos:

1) O corpo do cristão (se de fato é um cristão) é templo do Espírito Santo. Deus é santo, separado do mal e do pecado. Assim o corpo do cristão também deve ser santo e separado destas paixões infames, imorais e indecentes. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; (Rm 6:12);

2) Deus chama de “fornicação” o envolvimento sexual de qualquer espécie antes da aliança do matrimônio, do casamento. O Apóstolo Paulo chega a dizer que alguém que faz uso da prostituição fez-se uma só carne com aquele com quem se relacionou, o que denota a seriedade espiritual de um ato imoral. Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. (1Co 6:16)

3) O matrimônio é a aliança entre um homem e uma mulher, um único casal, num relacionento que deve durar até que a morte os separe. A única possibilidade de separação está na traição moral de um dos cônjuges, o que romperia esta aliança caso o traído assim desejasse. Trata-se de uma concessão e não de uma obrigação (pois ainda cabe o perdão e a segunda milha). E o segundo casamento não existe em nenhuma orientação bíblica para o separado (ainda que existam por toda a parte em nossa sociedade). Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. (Mt 19:6) ; Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. (Mc 10:9); A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; (1Co 7:39)

4) Aquele que trai o seu cônjuge é adúltero e não herdará o Reino de Deus. Contudo, nos dias atuais, as traições não são assim consideradas na maioria dos casos e a onda de trocas tornou-se banal. Relacionamentos avulsos também tomaram conta da prática humana e a permissividade destrói dia após dia os valores morais cristãos herdados pelas gerações. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. (Tg 4:4); Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. (Ap 21:8);

5) O fruto dos maus casamentos provocou o surgimento das anomalias familiares. As crianças são as que sofrem mais: três ou quatro pais, três ou quatro mães, dias específicos e moradas específicas para datas específicas, sem ter um referencial de lar ajustado, feliz e bíblico. Nunca são capazes de se sentarem com os autênticos pais em família, em harmonia. Sempre estão com suas meia-famílias, seus meio-irmãos, seus meio-avós. Eles crescem sem referências reais. A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa. (Sl 128:3); Porém, eu e a minha casa serviremos ao SENHOR. (Js 24:15).

6) A situação propagou-se de tal forma que hoje temos o político em terceiro casamento, o pastor-cantor que trai a 3a esposa e continua a pastorear como se nada tivesse acontecido, duas mulheres que se declararam pastoras e vivem em fornicação, outro par de pastores assim a dirigirem uma denominação e um casal homossexual a casar-se com a participação de evangélicos nos “louvores”. Um tempo muito distante dos ensinos bíblicos sobre fé, santidade e comportamento cristão. E tudo o que distoa desta permissividade é chamado de “usos e costumes”, “museu”, “carregar os ossos de José”. A psicologia é um compêndio mais valorizado do que a própria Bíblia Sagrada. Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; (Fp 2:15); Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; (1Tm 3:2); Não removas os antigos limites que teus pais fizeram. (Pv 22:28); Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e às oposições da falsamente chamada ciência, (1Tm 6:20)

Está na hora de voltarmos aos fundamentos do evangelho. À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles. (Is 8:20). Está na hora de pararmos de julgar se errado está quem agrediu ou quem foi agredido; precisamos considerar que se não houvesse imoralidade e prostituição ambos estariam fiéis em seus matrimônios originais, vivendo a vida comum do lar ao lado de seus filhos. Deus não está nesses relacionamentos pecaminosos, por mais caros e mais glamorosos que pareçam ser. Precisamos orar por eles para que se arrependam e estabelecer novas pautas e novos paradigmas para as nossas vidas. Nossos olhares devem mirar o Senhor! Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. (Hb 12:2)

Que Deus nos perdoe por tantas energias gastas em discussões efêmeras. Que Deus nos desperte para construirmos famílias dignas, limpas, puras, santas, fiéis, que tragam estabilidade às crianças e bom testemunho da presença de Cristo em nossos lares.

Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas do Rodoanel em Carapicuíba – São Paulo
Colaborador deste Portal

Compartilhar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.