Com os olhos fixos na Eternidade

0
104

“Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” (2 Coríntios 4.18)

Onde estamos fixando os nossos olhos? O que domina nosso modo de pensar? O que mais continuamente buscamos e nos esforçamos para conquistar? Fixar os olhos deve ser uma escolha nossa. Se não for, eles serão atraídos ao que possivelmente não alimentará a vida eterna que temos em Cristo. Se não escolhermos em que fixaremos os nossos olhos, eles estarão à mercê de muitos poderes. Há pelo menos três deles claramente revelados nas Escrituras e sobre os quais devemos estar precavidos. Eles foram citados por João em sua epístola, a primeira (1 Jo 2.16): a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens.

A cobiça da carne representa os desejos que brotam de dentro de nós. Eles não são os mesmos para todos. Nossas fraquezas são diferentes. Mas todos as temos. Costumamos achar as fraquezas dos outros piores que as nossas e, no contexto religioso, adulterar é mais feio e reprovável que abusar do poder ou ser desonesto nas finanças. Um reflexo de nosso maniqueísmo religioso. A cobiça dos olhos representa o que provoca em nós desejos, uma tentação que vem de fora. Estamos sujeitos a isso e há uma conexão fina entre a cobiça da carme e a cobiça dos olhos. Uma alimenta a outra. A ostentação dos bens representa o mal que nossos recursos e poderes terrenos podem nos causar, se lidarmos de forma errada com eles. Podendo gerar orgulho, presunção, vaidade… A prática da generosidade é um antídoto necessário. O apego produz a ilusão de que somos melhores, mais importantes, em função do que temos.

É preciso escolher em que fixar os olhos. E faze-lo no que é eterno para não cairmos nessas armadilhas tão comuns a nós, pecadores. Essa é uma escolha a ser feita diariamente e antecipadamente. É mais fácil evitar um mal caminho que resistir a ele. Por isso é tão importante uma vida diária de devoção. Orar e ler as Escrituras, por exemplo. Por isso a vida em comunidade de fé é tão necessária. Nela somos animados à perseverar na fé e recebemos auxilio para manter os olhos voltados para a eternidade, nutrindo perspectivas saudáveis, santas, para a vida. Você tem fixado seu olhar no que é eterno? Tem procurado ver o que só se vê pela fé? Cuidado: seus olhos guiarão seus passos, suas falas, suas atitudes.

Compartilhar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.